SEGUNDA FEIRA, 16 DE JULHO DE 2018
Untitled Document
13/12/2017 | Fonte: CORREIO DO ESTADO

Má conservação da BR-262 é alvo de inquérito do MPF

Obras de restauração contratadas pelo Dnit devem começar em março
Mesmo com serviço de conservação em andamento, condições da rodovia ainda são precárias e há muitos pontos críticos - Foto: Valdenir Rezende

O Ministério Público Federal (MPF) investiga a má conservação da rodovia BR-262, entre Três Lagoas e Água Clara.

O trecho foi retratado como precário em várias reportagens publicadas pelo Correio do Estado e está na iminência de receber obras de requalificação viária.

Atualmente, conforme visita in loco da reportagem, as condições estão melhores devido ao serviço de tapa-buracos e manutenção, mas ainda requer atenção.

Conforme o inquérito civil assinado pelo procurador da República em Três Lagoas, Jairo da Silva, o objetivo é “apurar a existência de péssimas condições de trafegabilidade e segurança da rodovia federal BR-262/MS, no trecho entre Três Lagoas e Água Clara”. Até o fechamento desta edição, o MPF não havia dado detalhes da investigação.

A esperança para a rodovia são as obras de restauração que estão programadas para começar em março de 2018, após o período de chuvas. Até lá, equipes trabalham na recuperação de pontos críticos. 

Desde a instalação do complexo de indústrias de papel e celulose em Três Lagoas, a partir de 2009, o fluxo de veículos na BR-262 foi acrescido pela frota de caminhões para transporte de madeira até as fábricas. A expansão no movimento e a manutenção deficiente implicaram na deterioração da rodovia.

COMENTE ESTA NOTÍCIA:
» NOTÍCIAS RELACIONADAS
Postada em: 06/06/2018 STJ autoriza recolhimento da carteira de motorista para pressionar réu inadimplente a regularizar débitos
Postada em: 06/06/2018 Passa de 190 o número de desaparecidos por causa do Vulcão de Fogo, na Guatemala
Postada em: 06/06/2018 Governo reduz previsão e passa a estimar salário mínimo abaixo de R$ 1 mil em 2019
Postada em: 06/06/2018 Frio deve atrasar início da colheita do algodão na região norte de MS
Untitled Document
Desenvolvimento: Luciano Dutra